VOCÊ ESTÁ FELIZ COM O SEU TRABALHO?

Segundo levantamento nacional do Instituto de Pesquisa e Orientação da Mente (IPOM), 7 a cada 10 pessoas empregadas estão insatisfeitas no mercado de trabalho. De acordo com essa estatística é importante fazermos uma reflexão.

Se considerarmos que a População Economicamente Ativa é de 79 milhões, e desse montante, 14 milhões estão desempregados, isso quer dizer que temos cerca de 70 milhões de brasileiros infelizes quando o assunto é profissional. (Fonte: IBGE)

Assim como o número de desempregados, a quantidade de pessoas empregadas que estão insatisfeitas também é assustadora (56 milhões de pessoas). Ainda mais se levarmos em conta que atualmente o trabalho deixou de ser um mero “ganha pão” e passou a ser fator determinante para a autorrealização, autoestima e saúde física-emocional, o que desencadeia uma patologia social grave.

Outro agravante para essa situação, é o fato de imaginarmos que o problema desses profissionais insatisfeitos não é somente a questão financeira, pois se você oferecer uma mala cheia de dinheiro e perguntar onde ele será investido para satisfazer os desejos profissionais, a maioria esmagadora não tem noção do que fazer com a bolada.

Uma das perguntas que temos que nos fazer é: O trabalho está ruim ou os profissionais idealizaram uma empresa perfeita com seres humanos perfeitos? O que definitivamente não existe e nem existirá.

Dá para ser feliz no ambiente de trabalho? Ou a saída é aceitar a mediocridade que a vida te impõe e incrementar à sua lista de compras medicamentos de dores de cabeça, remédios para insônia e antidepressivos.

O que temos que colocar em nossas mentes, é que o mundo mudou e o fluxo da vida deixou de ser: nascer, crescer, estudar, se formar, assinar a carteira, aposentar (se possível na mesma empresa que iniciou) e morrer.

Hoje, além de viver para trabalhar, o indivíduo precisa trabalhar para viver, e viver bem. E para isso, ele precisa necessariamente estar feliz com o que está fazendo, ou seja, precisa fazer sentido para ele, tem que ter um propósito.

O problema é que a insatisfação com o trabalho é difícil de ser diagnosticada porque o ser humano tem o péssimo habito de se conformar com os problemas e situações, o que dificulta a aceitação de que existe ali um potencial para mais, o que só reforça a ideia de que os problemas no trabalho ou a falta de perspectiva naquele ambiente “faz parte do jogo”.

O profissional feliz é aquele que cria um plano de vida. E criar esse plano passa diretamente pelo autoconhecimento, caso contrário o indivíduo cai em um plano de vida de uma outra pessoa. E adivinhe o que ela planejou para você: Não muito.

E VOCÊ? Está feliz com o seu trabalho?

 

VEJA TAMBÉM:

 

POR QUE DEDICAMOS NOSSAS VIDAS À AGÊNCIA Q9?

 

 

Vai largar uma carreira de 12 anos? Vai arriscar mesmo no empreendedorismo?

 

 

Cadastre-se para receber em primeira mão conteúdos exclusivos

* indicates required